LN – Rishi Sunak pode ser eleito primeiro-ministro britânico nesta segunda-feira



O ex-ministro das Finanças britânico Rishi Sunak é o favorito para ser nomeado, talvez a partir desta segunda-feira, como o novo chefe de governo no Reino Unido, substituindo Liz Truss após a decisão de Boris Johnson de não apresentar sua candidatura.

Johnson, cuja candidatura dividiu profundamente o Partido Conservador, disse em comunicado na noite de domingo que tinha os 100 apoios necessários para concorrer, mas que preferia não fazê-lo devido à fratura na formação de direita.

“Nos últimos dias cheguei à conclusão de que simplesmente não seria a coisa certa a fazer. Você não pode governar efetivamente se não houver um partido unido no Parlamento”, disse o ex-primeiro-ministro, que deixou o poder mais cedo, em um comunicado. em setembro, após acumular os escândalos.

Johnson voltou no sábado de férias no Caribe para garantir o apoio de pelo menos 100 deputados, condição essencial para se apresentar, e garantiu ter 102.

Sua desistência, que ganhou as primeiras páginas da imprensa britânica nesta segunda-feira, abre caminho para a vitória de Rishi Sunak, 42, que acabara de perder a corrida para suceder Johnson contra Liz Truss, a primeira-ministra de curta duração que renunciou após apenas 44 dias no poder

Esse filho de imigrantes indianos, que estudou nas melhores escolas e que é um rico ex-banqueiro, seria o primeiro líder a sair de uma minoria étnica para governar o país.

– Mordaunt não abandona –

Durante um intenso fim de semana de negociações, Sunak anunciou sua candidatura no domingo. “Quero endireitar nossa economia, unir nosso partido e agir pelo nosso país”, declarou no Twitter, prometendo “integridade, profissionalismo e responsabilidade”.

Sunak é, por enquanto, o único candidato com os 100 apoios necessários. A outra candidata, a Ministra das Relações com o Parlamento, Penny Mordaunt, está longe desse número. Você tem algumas horas restantes, até as 14h, horário local (13h GMT), para fazer isso. Uma tarefa que parece difícil.

Mordaunt indicou no domingo à noite que ainda estava na disputa, apresentando-se como a pessoa que poderia reunir o partido.

“Ao tomar essa decisão difícil, (Boris Johnson) colocou o país à frente do Partido e o Partido à frente de si mesmo”, tuitou Mordaunt na segunda-feira de manhã.

“Ele trabalhou para garantir o mandato e a maior parte do que temos. Devemos usá-los adequadamente, e sei que ele trabalhará conosco para fazer isso”, acrescentou.

Se a ministra obtiver o apoio necessário e não sair apesar da vantagem de sua rival, os filiados do Partido Conservador terão que votar online entre hoje e sexta-feira para decidir seu futuro chefe e primeiro-ministro.

Caso contrário, Rishi Sunak pode ser declarado o vencedor nesta segunda-feira para se tornar o quinto primeiro-ministro desde o referendo do Brexit de 2016, que abriu uma página de turbulência econômica e política no Reino Unido.

– Ortodoxia orçamentária –

Sunak, defensor da ortodoxia orçamentária, seduz grande parte do Partido Conservador em um momento em que o Reino Unido passa por uma grave crise econômica e social agravada pelas reviravoltas de Liz Truss que desestabilizou os mercados e afundou a libra.

Sunak criticou duramente o plano econômico ultraliberal de Truss.

Sempre seguro de si, Johnson, de 58 anos, disse estar convencido de que teria, se fosse candidato, “uma boa chance (…) de voltar a Downing Street”, depois de anunciar sua renúncia ao cargo de primeiro ministro em julho, encurralado por dezenas de renúncias em seu governo, incluindo a de Sunak.

Johnson também disse que estava “bem posicionado” para liderar seu partido nas próximas eleições de meio de mandato em dois anos.

Por sua vez, e com vantagem nas pesquisas, a oposição trabalhista reiterou seu apelo por eleições antecipadas.

“Os conservadores estão prestes a dar a Rishi Sunak as chaves do país sem que ele diga uma palavra sobre como vai governar”, tuitou a vice-líder trabalhista Angela Rayner. “Ninguém votou nisso”, acrescentou.

bd-spe/sea/jvb



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)