LN – O juiz de ‘Caranjuez’ interroga nesta quinta-feira 13 membros da rede policial acusados ​​de fraudar ex-acusações venezuelanas



O chefe do Tribunal de Instrução Número 29 de Madrid planeja esta quinta-feira, a partir das 10h30, interrogar 13 supostos membros de uma rede de policiais e advogados investigados por fraude e/ou extorsão no chamado caso ‘Caranjuez’ depois de supostamente oferecer serviços a ex-funcionários do governo venezuelano – alguns deles investigados no Tribunal Superior Nacional por crimes de lavagem de dinheiro – em troca de dinheiro e informações do Podemos.

O juiz ouvirá os investigados depois que duas das supostas vítimas prestaram declarações na semana passada, o ex-vice-ministro de Desenvolvimento Elétrico Javier Alvarado Ochoa e o consultor financeiro Dimas Antúnez. Ambos ratificaram o que disseram na sede da polícia, ou seja, que – na opinião deles – foram extorquidos pela rede policial agora investigada.

De acordo com as investigações realizadas até agora pelas autoridades policiais, a rede indicada seria composta principalmente por policiais nacionais e locais, advogados e um ex-militar. O agora acusado teria abordado vários venezuelanos supostamente relacionados a atividades de lavagem de dinheiro “para solicitar dinheiro em troca de afirmar a suposta capacidade de influenciar órgãos públicos, como o Serviço Executivo de Prevenção à Lavagem de Dinheiro — Sepblac– ou a própria Polícia Nacional”, para “resolver os problemas” que teriam de ser investigados.

Além de pedir dinheiro em troca da dita “influência”, os membros da rede policial também estavam “interessados” em receber “informações sobre o partido político Podemos e suas possíveis ligações com a Venezuela, entre outras informações”, segundo um relatório da Brigada Central de Investigação de Lavagem de Dinheiro e Anticorrupção escrito em 2020 ao qual a Europa Press teve acesso.

13 investigados

Em um despacho de 29 de maio, ao qual também teve acesso esta agência, afirma-se que a primeira pessoa citada para amanhã é o advogado José Martín Aliste. De acordo com o relatório da Brigada de Combate à Lavagem de Dinheiro, ele se dedicou a “contatar cidadãos venezuelanos vinculados a operações de lavagem de dinheiro para oferecer-lhes seus serviços” e “afirmar sua suposta capacidade de influenciar policiais e instituições” para que “obtenham benefícios como a abertura gratuita de contas bancárias em Espanha ou a obtenção de autorizações de residência ou mesmo nacionalidade”. Ele teria recebido “nada menos” de 1,1 milhão de euros, segundo os investigadores.

Daniel Renuncio Mateos, policial municipal de Madri, e sua esposa, Concepción Valenzuela Sanza, também devem comparecer; e Alberto Galán Fereres, ex-soldado israelense –que por sua vez tem nacionalidade espanhola– “vinculado aos serviços de informação”.

David Barriguete Mendo, inspetor da Polícia Nacional, e Noelia Serrano Ramos são adicionados à lista. Também são citados Martín Rodil Álvarez, advogado americano; José Manuel Betanzos Ibarra, que -de acordo com os relatórios policiais do processo- é “um membro aposentado da Polícia Autónoma Basca atribuído ao Secretário de Estado da Segurança no momento dos factos”; e Guillermo Martínez Jiménez, funcionário da Administração.

Também foram convocados Luis Fernando Vuteff García, advogado de várias empresas supostamente envolvidas com a rede; Ignacio Sánchez Cumba, investigado supostamente vinculado aos referidos comerciantes, e Ralph Steinmann, que as autoridades relacionam com uma das empresas investigadas. O último a depor será José Vicente Amparan Croquer, investigado a quem foi encontrada documentação relacionada com o caso.

De acordo com a Brigada de Combate à Lavagem de Dinheiro, as operações suspeitas de lavagem de dinheiro realizadas neste caso ocorreram no âmbito de “estruturas de organização criminosa” vinculadas a Vuteff e Sánchez Cumba.

No mesmo relatório, os agentes asseguram que ambos teriam prestado um “serviço de lavagem de dinheiro” –do tipo chamado “compensação”- que consistia em contatar “pessoas que têm dinheiro em espécie que precisam depositar por outros canais que não o circuito legal” e com “pessoas que têm a necessidade inversa, ou seja, que depositaram fundos em contas no exterior e precisam descarregá-los na Espanha por meio de dinheiro”.

No âmbito da investigação, o juiz também concordou em acusar trinta empresas como pessoas jurídicas. Nesse caso, ainda não foi estabelecido quando ocorrerão os interrogatórios dos representantes legais das empresas investigadas.



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)