LN – Dúvidas sobre compromisso do Catar com Copa do Mundo neutra em carbono



WASHINGTON (AP) – Nos 12 anos que levou para sediar a Copa do Mundo, o Catar desencadeou uma onda de construção difícil de encontrar paralelo na história recente.

Construiu sete de seus oito estádios da Copa do Mundo, um novo sistema de metrô, rodovias, arranha-céus e Lusail, uma cidade futurista onde há 10 anos só havia poeira e areia.

Durante anos, o Catar prometeu algo mais para distinguir esta Copa do Mundo das anteriores: seria “neutra em carbono”, o que significa que teria zero impacto geral nas mudanças climáticas.

E praticamente desde que essa promessa surgiu, vários céticos a questionaram. Especialistas independentes ressaltam que o plano do Catar e da Fifa se baseia em contas ajustadas à sua conveniência e em projetos que não compensarão a pegada de carbono da Copa do Mundo, como foi alegado.

“Não ajuda muito esse tipo de evento promovê-lo como ‘carbono neutro’”, disse Gilles Dufrasne, pesquisador da organização não-governamental Carbon Market Watch, autor de um relatório questionando o plano de sustentabilidade do Qatar. pode construir estádios colossais e avançados… e trazer pessoas do outro lado do mundo para assistir a partidas de futebol e que de alguma forma isso seja compatível com o alcance das metas climáticas.”

contagem de emissões

Em um relatório especial estimando as emissões do torneio, os organizadores do Catar e a FIFA prevêem que a Copa do Mundo gerará 3,6 milhões de toneladas de dióxido de carbono de atividades relacionadas ao torneio de 2011 a 2023.

É cerca de 3% do total de emissões do Catar em 2019, de quase 115 milhões de toneladas, segundo dados do Banco Mundial.

É sabido que o Catar mudou o torneio para o inverno para proteger jogadores e espectadores do calor extremo. Mesmo assim, esta nação rica em gás vai fornecer ar condicionado em sete estádios ao ar livre.

Quanto à água, ela dependerá de usinas de dessalinização que a retiram do oceano e a tornam potável, para atender às necessidades de mais de 1,2 milhão de torcedores que chegariam para o evento de um mês.

Tais plantas consomem grandes quantidades de energia.

2,9 milhões de pessoas normalmente residem neste emirado do Golfo Pérsico.

Qatar e FIFA indicam que a maior fonte de emissões serão as viagens, principalmente de outros continentes. Isso representará 52% do total.

A construção dos estádios, assim como os locais de treinamento e suas operações representarão 25%, segundo o relatório. A operação de hotéis e outros locais de acomodação por cinco semanas, incluindo navios de cruzeiro ancorados no Catar, afetará 20%.

Mas em seu relatório, o Carbon Market Watch enfatizou que esses números não contam toda a história. Ele decidiu que o Catar subestimou muito as emissões geradas pela construção dos estádios, dividindo as emissões geradas por todo o concreto e aço entre os anos de duração das instalações, em vez de simplesmente somá-las.

“Isso é problemático”, disse o Carbon Market Watch, questionando a probabilidade de que o pequeno Catar tivesse construído sete grandes estádios se não sediasse a Copa do Mundo.

O Catar defendeu sua aritmética, dizendo que trabalhou duro para não criar “elefantes brancos” como os que costumam ser deixados em países que sediam grandes eventos esportivos. Ele indicou que desenvolveu planos para cada estádio assim que a Copa do Mundo terminar.

“Nenhum outro país se envolveu tão profundamente com seus cidadãos para garantir que um legado sustentável seja deixado para trás após a Copa do Mundo”, disse um porta-voz da Comissão Suprema de Conformidade e Legado do Catar.

Alguns contratempos de última hora continuam a ameaçar as promessas climáticas do país. Durante anos, o Catar alegou que o pequeno território do país reduziria o número de viagens necessárias entre os vários estádios.

Apesar de todo o trabalho de construção, ainda não há quartos de hotel suficientes no país. E milhares de torcedores que não encontraram hospedagem no Catar optaram por dormir no vizinho Dubai, a 45 minutos de voo, ou em outras cidades do Golfo Pérsico.

Os organizadores do Catar não responderam aos pedidos de comentários sobre se contariam esses voos como parte dos totais de poluição. Em um comunicado, eles mencionaram que quaisquer discrepâncias serão explicadas após a Copa do Mundo.

___

Suman Naishadham está no Twitter como: @SumanNaishadham



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)