LN – Sindicato dos professores iranianos anuncia greve para este domingo contra a repressão aos estudantes


O sindicato denuncia o assassinato de uma estudante de 16 anos durante uma operação de segurança em uma escola para meninas em Ardebil

MADRI, 23 de outubro de 2022 (Europa Press) –

O Conselho de Coordenação dos Sindicatos de Professores do Irã anunciou o início de uma greve de dois dias a partir deste domingo para denunciar a repressão das forças de segurança contra os estudantes do país no âmbito dos protestos contra a morte sob custódia. do jovem Masha Amini, exemplificado no assassinato, dizem, de um estudante de 16 anos durante uma operação de segurança em uma escola para meninas na cidade de Ardebil, no noroeste do país.

Conforme relatado pelo Conselho em sua conta do Telegram, o jovem estudante, identificado como Asra Panahi, morreu em 14 de outubro depois de se recusar a cantar um hino oficial depois que as forças de segurança retiraram à força os alunos da escola para que pudessem participar, também contra seus vontade, numa manifestação a favor do Governo iraniano.

O Conselho assegura que as forças de segurança espancaram os estudantes que se recusaram a cantar o hino, dedicado ao líder supremo do país, Ali Khamenei. A repressão resultou em dez estudantes detidos e atualmente desaparecidos, e outros sete feridos, incluindo Panahi, que sucumbiu em um hospital.

Então, e na mesma conta do Telegram, o Conselho procedeu a anunciar uma greve de dois dias no sábado e no domingo em protesto contra as mortes de Panahi e Amini, sob a forma de “ocupações” e a suspensão das atividades de ensino. “Os professores estarão presentes nas escolas, mas não daremos aulas”, segundo a mensagem recolhida pela rádio Farda, financiada pelos Estados Unidos.

A ONG Iran Human Rights denunciou que pelo menos 215 pessoas já morreram no país, incluindo 27 crianças, devido à “repressão sistemática” das autoridades contra os protestos que eclodiram no final do mês passado pela morte de Amini , sob custódia policial no momento de sua morte após ser detida pela Polícia Moral porque estava usando o véu errado.

As autoridades iranianas asseguram que a jovem morreu de insuficiência cardíaca derivada de uma patologia anterior e que em nenhum momento foi agredida pela Polícia.



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)