LN – Rússia ou China? Os Estados Unidos revelaram qual é o maior desafio à sua segurança e em que situação usariam suas armas nucleares


WASHINGTON.- A invasão russa da Ucrânia destaca a “ameaça aguda” que Moscou representa, mas não a Rússia, mas China o desafio mais significativo para a segurança dos Estados Unidos nas próximas décadas, diz o Pentágono em sua nova estratégia de defesa.

A China “representa o desafio sistêmico de maior alcance, enquanto a Rússia representa uma ameaça aguda, tanto para os interesses nacionais vitais dos EUA no exterior quanto em solo americano”, disse o Ministério da Defesa em comunicado. documento que estabelece a estratégia do exército para os próximos anos.

O presidente da China, Xi Jinping, acena após apresentar os membros do novo Comitê Permanente do Politburo do Partido Comunista Chinês, o principal órgão decisório do país, no Grande Salão do Povo em Pequim, em 23 de outubro de 2022. (Foto de Noel Celis / AFP)

Xi Jinping cumprimenta após sua reeleição durante o recente Congresso do PC chinês (NOEL CELIS/)

A China “é o único rival que tem a intenção de reformular a ordem internacional e, cada vez mais, o poder para o fazer”, O ministro da Defesa, Lloyd Austin, destacou ao apresentar a nova estratégia dos EUA à imprensa.

“Ao contrário da China, a Rússia não representa uma ameaça sistêmica de longo prazo para os Estados Unidos. Mas A Rússia representa uma ameaça imediata e aguda pelos nossos interesses e valores”, acrescentou.

A nova estratégia de defesa, publicada pela primeira vez juntamente com a nova posição nuclear dos Estados Unidos e a nova abordagem sobre mísseis, aborda A pressão de Pequim sobre Taiwan, numa época quando Os Estados Unidos temem que a China vá em frente com seus planos de reunificar a ilha.

O presidente russo Vladimir Putin atacou o Ocidente durante seu discurso na reunião anual do Valdai International Debate Club

O presidente russo Vladimir Putin atacou o Ocidente durante seu discurso na reunião anual do Valdai International Debate Club

A “retórica cada vez mais provocativa e as atividades coercitivas da China contra Taiwan são desestabilizador”, correm o risco de causar um erro de cálculo e ameaçar a paz no Estreito de Taiwan, especifica o documento cuja versão mais longa, classificada como segredo de defesa, foi enviada ao Congresso há vários meses.

O Pentágono especifica, no entanto, que “Um conflito com a China não é inevitável nem desejável.”

ameaça nuclear

Os Estados Unidos acreditam que sua armas nucleares eles têm a intenção de deter “todas as formas de ataque estratégico”, incluindo as que envolvem armas convencionais, alertou o Pentágono na nova estratégia nuclear dos EUA.

“Isso inclui emprego nuclear em qualquer escala e inclui ataques de alto impacto de natureza estratégica usando meios não nucleares”, disse um oficial de defesa a repórteres.

O documento especifica, no entanto, que Washington “Só considerará o uso de armas nucleares em circunstâncias extremas para defender os interesses vitais dos Estados Unidos, seus aliados e parceiros.”

Segundo o responsável do Pentágono, a nova estratégia dos EUA visa “complicar a tomada de decisão” do adversário, numa altura em que a Rússia acusa a Ucrânia de se preparar para usar uma bomba “suja”.

A nova estratégia afirma que a invasão russa da Ucrânia foi realizada “sob uma ameaça nuclear, com declarações irresponsáveis, exercícios nucleares em datas irregulares e mentiras sobre o uso potencial de armas de destruição em massa”.

Numa altura em que os Estados Unidos esperam Coréia do Norte realizar um teste nuclear, o Pentágono adverte que um ataque atômico deste país significaria “o fim do regime” do líder Kim Jong-un.

Kim Jong Un monitora lançamento de míssil norte-coreano em local não revelado

Kim Jong Un monitorando o lançamento de um míssil norte-coreano em um local não revelado (STR/)

“Qualquer ataque nuclear da Coreia do Norte contra os Estados Unidos ou seus aliados e parceiros é inaceitável e levaria ao fim desse regime. Não há cenário em que o regime de Kim possa usar armas nucleares e sobreviver”, diz ele.

A China está se esforçando para expandir, modernizar e diversificar suas forças nucleares, destaca o portfólio de defesa, que especifica que Pequim “provavelmente deseja possuir pelo menos 1.000 ogivas nucleares até o final da década”.

Mas “A Rússia é o principal rival dos Estados Unidos com as mais diversas forças nucleares”, especifica o documento. Moscou tem 1.550 ogivas nucleares implantadas e 2.000 não implantadas.

América

Em relação a Américaos Estados Unidos apenas afirmam que “para evitar que ameaças distantes se tornem um desafio interno” continuarão a cooperar com os países da região para “promover segurança e estabilidade”.

A nova estratégia militar dos EUA leva novamente em conta a mudança climáticaeste havia sido retirado da última versão publicada sob a presidência do republicano Donald Trump, e reverte a decisão tomada em 2018 de implantar um novo míssil de cruzeiro nuclear mar-terra.

Agência AFP



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)