LN – Adolfo Cambiaso viveu 2022 como Lionel Messi: fechou-o cumprindo o último objetivo de sua luxuosa carreira


Lionel Messi tocou em 18 de dezembro o que perseguiu ao longo de sua vida esportiva: a Copa do Mundo.

Adolfo Cambiasoum Messi de pólocompletou 16 dias antes do único objetivo dos últimos anos de sua carreira: ser campeão mundial… com seu filho.

“É isso, é isso”: assim como Lionel Messi dirigiu essa mensagem à família do campo após a final do Catar, Adolfo Cambiaso pôde dizer, ou melhor, dizer para si mesmo, no campo com o filho, Poroto; tudo foi feito em sua trajetória.

Para Leo e Adolfito as conquistas ficam à margem do currículo. Eles têm muitos louros, recordes e reconhecimento por conta própria. O jogador de futebol estava perdendo o troféu de ouro, o mais brilhante, o mais pesado. Ao jogador de pólo, o mais carinhoso, o mais humano, o mais paternal: a sua taça, mais que a do Aberto de Palermoestava a foto com Poroto no pódiocom o mesmo prêmio. Prateado, pesado, enorme.

Cambiaso levantou 18 vezes a Taça do Campeonato, muitas vezes com mais euforia do que esta. Era mais jovem, ou tinha vencido finais mais vibrantes, ou não era favorito… Mas aquela imagem de pai e filho erguendo a taça mais preciosa do esporte, sorridentes mas serenos, continua sendo um dos principais cartões-postais das maiores corrida do século e meio do polo argentino.

A foto que vale mais que a própria taça para Adolfito: com Poroto, levantando o troféu do Aberto de Palermo como campeão.

A foto que vale mais que a própria taça para Adolfito: com Poroto, levantando o troféu do Aberto de Palermo como campeão. (A NAÇÃO/Santiago Filipuzzi/)

Já é muito difícil chegar nisso, encontrar o prêmio do Aberto da Argentina. Muitos grandes jogadores, mesmo com handicap de 10 gols, não conseguiram. Ainda mais difícil, claro, é conseguir com um filho, com um pai. O Cambiaso conseguiu aos 47 e 17quase no final da trajetória de um e em pleno Big Bang do outro.

Era quase impensável que, com uma diferença de idade de 30 anos, tal coisa pudesse acontecer. Mas a genética, e o cuidado físico, e o cavalo (clones incluídos), e a mentalidade voraz de um convergiram para prolongar a carreira craque que começou a deslumbrar aos 15 anos a nível competitivo. E coincidiram com o talento, a calma ambição , maturidade (podemos falar de maturidade aos 16/17?) e profissionalismo (podemos falar de profissionalismo aos 16/17?) dos 10 mais jovens goleadores da história, para tocar juntos a glória que tanto custa

“Ele já joga muito melhor do que eu”, comentou o pai sobre o menino após a final vencida por La Dolfina contra La Natividad no Campo Argentino de Polo; A Associação de Polo não concordou: elevou Poroto para 10, mas manteve Adolfito nessa faixa.

E que voltarão a jogar em 2023, quando Adolfo e Adolfo dividirem La Dolfina como titulares da segunda temporada. O fundador de tudo isso colocou os outros monstros no time, Juan Martín Nero Y David Stirling, a renúncia sobre a mesa em 4 de dezembro, dois dias após a reconquista da Sé. Na própria cena do crime, debaixo de uma árvore na quadra 1 em Palermo. Ele entendeu que não estava jogando bem, que não era o mesmo de antes (você pode fingir ser o mesmo aos 47 anos na elite de um esporte?). Ele ainda disse sobre seu filho adolescente: “Ele já joga muito melhor do que eu.” Dolfi não queria ser um fardo para os atuais camaradas, sãos 10 que ainda poderiam aspirar a continuar governando o polo.

Mas a renúncia não era indeclinável. O papel metafórico tinha uma cláusula: o 1 continuaria se os outros quisessem. E o Trenquelauquense e o uruguaio nem hesitaram. Escolheram mais um ano desta La Dolfina, também campeã do Hurlingham – primeiro título de Poroto na Tríplice Coroa – e, poucos dias depois, passaram a ser 40. desvantagem de 40 golse de quase 40 anos de idade média: os quatro terão média de 37,3 em 2023.

As cavalariças de Adolfo Cambiaso VI em Cañuelas, que sorri para a câmera com Adolfo Cambiaso VII.

As cavalariças de Adolfo Cambiaso VI em Cañuelas, que sorri para a câmera com Adolfo Cambiaso VII. (Fabian Marelli/)

Como Messi, Adolfo Cambiaso ele ficou sem gols. Ele já ganhou tudo. Em dezembro de 2022 concluiu o álbum com o grande desejo até então pendente. Assim como Messi, o que vier daqui para frente – bom ou ruim – não mudará sua vida esportiva. E, também como Leo, dura um tempo. O canhoto rosário tem marcas individuais a serem quebradas (mais gols ou títulos na mesma circunstância), mas nem as considera. O que ele gosta é de brincadeira, de jogar bola. Ao destro de Cañuelo, também: gosta do jogo, adora todas as coisas relacionadas a cavalos e tem metas pessoais a alcançar, mas não as apressa. Ele sempre dizia que não estava interessado em um disco importante: o de Palermo aberto conquistado. Seus 18 são dois a menos que os de Juan Carlos Harriott (h.), o Pelé do polo, que mora em Coronel Suárez aos 86 anos. adolphite nunca partiu para igualá-lo, pelo menos explicitamente. Mas seu filho, que trouxe-o aqui quando ele poderia ser aposentadopode ser a locomotiva que o empurra para esse marco.

De quem é?  O capacete

De quem é? O capacete “argentino” nasceu em 2002 e tem muitos mais anos no pólo, com o herdeiro. (A NAÇÃO/Santiago Filipuzzi/)

Por enquanto, em 2022, Adolfo Cambiaso, admirador de Diego Maradona, era Lionel Messi. E continuará na ativa em 2023. Fazê-lo como Rei de Palermo galopando ao lado do herdeiro do trono é, para Dolfi, jogar mais algumas partidas como campeão mundial.



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)