LN – Morte em Santa Fé: como se originam os perigosos desafios do TikTok e por que eles são atraentes para muitos meninos


Na sexta-feira passada, uma menina de 12 anos chamada Milagros foi encontrada morta no quarto de sua casa em Capitán Bermúdez, povoado de Santa Fé a 15 quilômetros de Rosário. Segundo a tia, para conscientizar a população, o adolescente morreu enquanto fazia um desafio na rede social TikTok.

“O álcool está sempre presente”: com que idade começa o consumo em adolescentes portenhos e por que alerta os médicos

O caso de Milagros não é o primeiro. o desafio apagão, um desafio que consiste em colocar um objeto no pescoço (como um cinto ou uma corda) para sufocar, desmaiar e postar um vídeo mostrando toda a sequência, já teve consequências mortais antes, assim como outros desafios virais que circulam nas redes sociais .

Especialistas consultados por A NAÇÃO explicou que são plataformas regidas por uma lógica própria que Eles não são projetados para menores de 14 anos e em muitos casos geram atração porque prometem um certo nível de pertencimento social.

Alejandro Artopoulos, sociólogo e diretor do Centro de Inovação Tecnológica da Universidade de San Andrés (Udesa), explicou que o TikTok é uma rede social para conteúdo expresso, ou seja, uma plataforma na qual se publicam conteúdos de rápida criação e máximo entretenimento com alta probabilidade de viralização. “Por isso, Eles o acusam de ser altamente viciante e para fins geopolíticos.“, disse. Além disso, ele argumentou que a participação em Esse tipo de desafio é uma das formas recomendadas de postar um TikTok atraente.

As redes sociais não são espaços pensados ​​ou preparados para a infância ou para meninos e meninas em fase de pré-adolescência.. Não é por acaso que as redes sociais são destinadas a maiores de 14 anos, porque são espaços regidos por regras de publicidade e algoritmos que usam questões muito sensíveis para conseguir a viralização”, disse Lucía Fainboim, diretora de Educação da Faro Digital, organização que promove o uso crítico e reflexivo das tecnologias.

A especialista afirmou que crianças de idades como a de Milagros ainda não estão preparadas para fazer certas análises, contemplar alguns riscos e ter um olhar mais reflexivo porque isso é algo que ocorre com o passar do tempo.

post da tia de Milagros

post da tia de Milagros

Por sua vez, Diana Litvinof, psicanalista membro da Associação Psicanalítica Argentina (APA) e autora do livro O sujeito oculto na realidade virtualconsiderou que em situações como essas existem duas pessoas: um remetente que propõe um desafio que pode se tornar perigoso e um destinatário vulnerável.

“O ambiente digital é o meio de comunicação de hoje, não é em si responsável pelo que circula. Isso tem a ver com o ser humano, que pode ser solidário e amoroso ou hostil e agressivo. Nem todo mundo que recebe o desafio fica exposto a ele porque nem todo mundo é vulnerável ou facilmente influenciável. Existem características pessoais que têm a ver com situações pessoais“, disse.

Litvinof considerou que o TikTok, sabendo da difusão de suas mensagens, poderia ter “algum controle sobre o que transmite”.

“Nenhuma perda de vida procurada”

De acordo com Elsa Wolfberg, psicanalista e psiquiatra membro da APA, pré-adolescentes e adolescentes muitas vezes não conseguem entender totalmente as consequências do que estão fazendo e, no caso de algumas crianças que não se sentem incluídas, as redes geram uma grande atração para eles porque prometem um certo nível de pertencimento, sucesso, triunfo, contato ou importância.

“Apontando especificamente para esses tipos de desafios, você pode pensar que qualquer um que faça isso, falta apoio familiar e então a criança exerce autocontenção e autocontrole. Muitos jovens transferem para o corpo problemas que são de dimensão emocional, como talvez o sentimento de anonimato, desamparo ou solidão”, disse.

Na mesma linha, Alberto Álvarez, também membro da APA, opinou que a questão destas desafios É que não se sabe quem é a pessoa que vai fazer e o grande risco que isso acarreta é que muitas vezes existem pessoas, principalmente meninos ou adolescentes, que por sua estrutura psíquica funcionam agradando o outro e nessa busca se colocam em situações muito perigosas.

No entanto, apesar de ser um assunto complexo que articula vários problemas, Wolfberg destacou que é importante não atribuir um significado errôneo: “A perda da vida não é buscada, mas para ver até onde pode ir o seu autocontrole”.

Prevenção

“Caso eles tenham redes sociais, por qualquer motivo, não podemos deixar os meninos sozinhos. Temos que saber o que eles fazem, não a partir de um lugar de violação de privacidade, mas de entender como essas plataformas funcionam e compartilhar espaços de diálogo para falar sobre o que consomem. Deixá-los sozinhos em um lugar que não está preparado para eles é um coquetel explosivo que quando explode a gente fica preocupado, mas depois a espuma diminui e a gente cai na inércia diária”, disse Fainboim.

Wolfberg, por sua vez, indicou que a principal ferramenta de prevenção é falar sobre isso e potenciais comportamentos de risco. “Às vezes há pais que pensam que na puberdade não precisam de tanta atenção, e às vezes os jovens rejeitam essa atenção, mas laços de confiança entre jovens e adultos devem ser fortalecidos“, guardado.

“Os pais não devem proibir, mas sim ensinar os filhos a julgar, consultar, defender-se e estar atentos ao que consomem e ao que lhes acontece”, concluiu Litvinof.



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)