LN – Chaves para sustentar a atividade física no verão


Assim como a alimentação saudável e o descanso não param no verão, a outra perna necessária para levar uma vida saudável, o atividade física, nem deveria. Embora o outono e a primavera ofereçam as temperaturas ideais para sustentá-lo – entre 20 e 24 graus seria o clima perfeito – não há razão para parar de dezembro a março. Apenas se impõem algumas chaves que apontam para o bem-estar e que devem ser seguidas para evite riscos em dias de calor extremo.

Para pessoas com mais de 50 anos. Este exercício melhora a circulação, gera plasticidade no cérebro e queima mais calorias do que correr

De acordo com um artigo de pesquisadores da Universidade de Michigan, publicado no Journal of Sport and Health Science, nota-se uma variação sazonal na motivação para fazer atividade física. “As pessoas – saudáveis ​​e não esportivas – praticam menos atividade física especialmente no inverno e um pouco menos no verão. Por que isso acontece? Porque grande concentração de atividade física é feita ao ar livre. E com condições adversas, tanto de calor quanto de frio, as pessoas não vão. As estruturas de alguns países estão armadas para fazer atividade física indoor. No Canadá existem redes que conectam diferentes centros comerciais para que as pessoas possam andar no inverno com tudo o que precisam, mas fora das intempéries”, diz Diego Iglesias, cardiologista especializado em medicina esportiva do Hospital Italiano (MN 86921).

Nos meses de verão, a atividade física ao ar livre é limitada em termos de horários. O mais recomendável seria, então, recorrer a espaços fechados e climatizados para, assim, manter o hábito que se manteve ao longo do ano. Em relação ao esporte, “A grande maioria das atividades desportivas recreativas são sazonais: terminam em dezembro e recomeçam em março basicamente porque todos os esportes têm uma temporada forte que começa em março e termina em dezembro. Assim, quem está associado a essa atividade física, que não é competitivo, tem de acompanhar estes grupos que têm planos de treino sazonais. Por exemplo, o rugby termina no final de novembro e começa em abril. Pelo meio há poucos treinos e na maioria das vezes os jogadores recebem planos para poderem continuar a treinar em casa e nos locais de férias”, acrescenta Iglesias.

corredor de mulher jovem e cansado faça uma pausa na trilha da floresta tropical

Nos meses de verão, a atividade física ao ar livre é limitada em termos de horas, recomenda-se que seja no início ou no final da tarde para evitar o calor extremo (SHUTTERSTOCK /)

Isso não acontece em todas as partes do mundo. “Existem muitos países centrais que possuem campos esportivos, piscinas aquecidas e instalações esportivas. Eles são cobertos, no inverno são aquecidos e no verão são resfriados. Não é o caso da Argentina, onde a grande maioria das pessoas pratica atividade física ao ar livre. Os clubes não têm como cobrir tudo e climatizar tudo. Em clubes como River, Vélez ou Boca, 80% de sua estrutura esportiva é ao ar livre. Não expressamente, porque eles querem, mas porque é caro cobrir e ar-condicionado em um campo de esportes, futebol, basquete ou handebol. Acho que essa é a maior dificuldade”, acrescenta o especialista em medicina esportiva.

Em relação aos treinos e rotinas físicas praticadas durante o ano, nos meses de verão nem sempre podem ser realizados ao ar livre, especialmente nas horas em que o sol bate mais forte. É sempre aconselhável optar por locais frescos e ventilados e se decidir praticar ao ar livre, “embora o horário dependa muito do calor e da humidade, sugere-se que seja antes das dez da manhã ou depois das seis da tarde. ”, recomenda o médico esportivo Alejandro García (MN 106404). A dúvida que paira sobre os dias de altas temperaturas é se é conveniente manter a atividade desenvolvida ao longo do ano ou se é melhor trocá-la por outra mais adequada ao calor. O especialista não acredita que seja necessária uma alteração “mas temos de apelar à prudência individual na tentativa de reduzir a intensidade ou os tempos se o tempo estiver muito inóspito”, alerta.

Retrato de uma jovem fitness cansada ao ar livre na cidade respirando

A dúvida que paira nos dias de altas temperaturas é se é conveniente manter a atividade realizada ao longo do ano ou se é melhor trocá-la por outra mais adequada ao calor (shutterstock/)

Além disso, o especialista destaca a importância do repouso, necessário para uma boa recuperação. Para isso, além de respeitar o horário de descanso, “evite situações que possam afetá-lo, como o consumo de álcool na noite anterior”, destaca. De agora em diante, um nutrição e hidratação adequadas Eles são fundamentais para encarar qualquer esporte ou exercício físico. Neste ponto, García lembra que para se manter hidratado no verão, beber água é muito importante, mas não é a única ferramenta existente. “A alimentação é essencial para nos mantermos saudáveis, fortes e hidratados. Não nos esqueçamos que os alimentos, como as frutas e os legumes, não só nos fornecem proteínas, fibras e energia, como também nos fornecem todas as vitaminas e minerais de que necessitamos e também nos fornecem hidratação”, esclarece.

Em relação aos grupos de risco, como em tudo, existem populações mais vulneráveis ​​ao calor e ao frio extremos. “São os idosos e as crianças e porque não têm um centro hipotalâmico maduro que regula o calor. Assim, eles suam de forma inadequada, lenta ou com concentrações hidroeletrolíticas que diminuem o sódio e outros minerais importantes”, explica Iglesias. Por isso, ao treinar, recomenda-se secar a transpiração apenas do rosto e da testa, pois o suor na pele, na medida em que evapora, permite que mais calor seja removido. “Se você está secando permanentemente, evite esse processo de transpiração, que é muito importante para a perda de calor”, aconselha Diego Iglesias.

Entre as populações mais vulneráveis ​​ao frio e ao calor extremo estão os idosos e as crianças, uma vez que o centro hipotalâmico que regula o calor não está maduro.

Entre as populações mais vulneráveis ​​ao calor e ao frio extremos estão os idosos e as crianças, uma vez que o centro hipotalâmico que regula o calor não está maduro (Nicolas Hansen/)

Por outro lado, Alejandro García adverte que No calor há quem acredite que a transpiração tem alguma relação com a perda de gordura e que, para a diminuir, faz jogging ou desportos aeróbicos ao sol, bem quentinhas ou mesmo embrulhadas em nylon, celofane ou toalhas, convencidas de que vão conseguir. “É importante esclarecer que o suor não é uma gordura que diminui ou queima, como comumente se acredita, mas sim um mecanismo do corpo para manter sua temperatura baixa. Portanto, é importante que evite este tipo de práticas desidratantes que podem causar sérios problemas de saúde; que se hidratem bem durante os exercícios, que usem roupas leves e frescas e que evitem os horários de pico”, aconselha o profissional. E acrescenta que quem busca reduzir a gordura corporal deve focar em melhorar a alimentação, “evitando ou reduzindo alimentos ultraprocessados, pastéis, refrigerantes e álcool”.

É importante estar atento aos alertas do corpo antes do esforço excessivo em dias quentes

É importante ficar atento aos alertas do corpo contra esforço excessivo em dias quentes (Shutterstock/)

“As recomendações para a prática de atividade física no verão são as mesmas para cuidar da pele: respeitar os horários recomendados; use roupas leves e confortáveis; não esqueça o chapéu; beba água fresca na quantidade necessária – se for caminhar de meia hora a quarenta e cinco minutos, meio litro é suficiente e bastante, se for fazer duas ou três horas de atividade física, provavelmente a necessidade é dois a dois litros e meio de água- Além disso, molhar a cabeça e o chapéu. É recomendado que Se não puder praticar atividade física fora das restrições de horário devido ao calor, faça-o dentro de casa, dentro de uma academia ou em um clube com ambiente fresco. A temperatura ideal para atividade física é de 22°. Entre 20 e 24° a pessoa pode sentir com tranquilidade o conforto necessário para praticar atividade física”, enumera Diego Iglesias.

O esporte coletivo para maiores de 60 anos que os tira do sofá e os enche de energia

É igualmente importante fique atento aos alertas do corpo antes do esforço excessivo em dias quentes. “Para um golpe de calor preste atenção à dor de cabeça, dor no pescoço, náusea e sensação de confusão ou tontura. Esses seriam os primeiros sintomas que gera um golpe de calor ”, alerta Alejandro García. Diante dessa situação, interrompa a atividade física, transfira a pessoa para um local fresco e com sombra, resfrie-a molhando a roupa, o corpo e a cabeça, dê-lhe água fresca para beber e procure ajuda profissional.



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)