LN – Poderia ter sido uma catástrofe: um navio de grãos fez a ponte Zárate-Brazo Largo “tremer” depois de bater na defesa de uma das estacas



SANTA FE.- O cargueiro ultramarino zinade bandeira maltesa, que tinha como destino a cidade de San Nicolás para descarregar no cais da empresa Ternium, colidiu com uma das proteções das estacas da ponte Zárate-Brazo Largo, a principal via de comunicação entre o sul da província de Entre Ríos e o norte de Buenos Aires. Testemunhas do incidente afirmaram que “a ponte tremeu” e que se temia uma catástrofe.

O curioso fato ocorreu no sábado, 31 de dezembro, no quilômetro 171 do rio Paraná Guazú. O graneleiro Zina, com 181 metros de comprimento, 30 metros de largura e 8,50 metros de profundidade, embateu numa das bases da ponte.

Como reportado, o impacto produziu um grande golpe na proa do cargueiro na altura das âncoras.

Testemunhas do acidente disseram à imprensa que observaram o incidente da costa, “a ponte tremeu e felizmente não caiu”o que teria sido uma catástrofe para a região da Mesopotâmia.

Ao meio-dia, porta-vozes autorizados indicaram que o navio ficou deteriorado devido ao impacto na proa, pelo que terá de ser reparado antes de continuar com os seus trabalhos, uma vez que se dirigia a San Nicolás para carregar cereais com destino a um porto fora do país.

O Zina é um navio a granel. Construído em 2012, navega sob bandeira maltesa e tem capacidade de carga de 33.862 toneladas de porte bruto, denominadas DWT.

As investigações começaram neste domingo para apurar os motivos do acidente. Segundo porta-vozes do porto, esses navios entram no rio Paraná auxiliados por indicações de pilotos fluviais.

complexo ferroviário

Em 14 de dezembro de 1977, a estrutura da ponte Zárate-Brazo Largo foi habilitada. Em 1995, seu nome oficial passou a ser “Complejo Unión Nacional”. No entanto, é popularmente conhecida por seu nome antigo, que se refere ao fato de ligar a cidade de Zárate, na província de Buenos Aires, com a área de Brazo Largo, em Entre Ríos.

A maior parte deste complexo, uma das principais artérias do Mercosul, está construída no distrito de Zárate, no trecho da estrada que vai do Paraná de las Palmas ao córrego Águila Negra, quase chegando ao Paraná Guazú. O projeto da ponte ficou a cargo de Fabrizio de Miranda.

A ponte que cruza o Paraná de las Palmas chama-se “General Bartolomé Mitre”, enquanto a que cruza o Paraná Guazú chama-se “Justo José de Urquiza”.

Por sua vez, as ferrovias fazem parte da Estrada de Ferro “General Urquiza”, enquanto a rodovia faz parte da Rota Nacional 12, que liga a região da Mesopotâmia com o resto do país.



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)