LN – Os 46 soldados perdoados pela junta do Mali regressam à Costa do Marfim


Os 46 soldados marfinenses detidos no Mali desde Julho e indultados esta semana regressaram ontem à noite ao seu país, onde foram recebidos pelos seus familiares, o presidente do país, Alassane Ouattara, e uma delegação de ministros.

O regresso culminou pouco antes da meia-noite no aeroporto Félix Houphouët-Boigny da capital marfinense, Abidjan, após uma escala no Togo, onde os militares se reuniram brevemente com o presidente, Faure Gnassingbé, que tem atuado como mediador nesta crise.

Os eventos precipitaram em 30 de dezembro, quando os militares foram condenados pela junta do Mali a 20 anos de prisão por “mercenários” – segundo a Costa do Marfim, eles estavam fornecendo apoio logístico à Missão de Estabilização Multidimensional Integrada das Nações Unidas no Mali (MINUSMA). – – antes de conceder-lhes, apenas uma semana depois, um perdão total como um gesto de boa vontade do líder golpista do Mali, coronel Assimi Goita.

O indulto visa também reforçar as relações entre o Mali e a Costa do Marfim após a assinatura, no final de 2022, de um Memorando de Entendimento sobre a promoção da paz e o reforço das relações amistosas.

De facto, e segundo fontes da Radio France Internationale (RFI), não está descartada uma próxima reunião entre Goita e Ouattara para terminar de apurar eventuais divergências, fazer com que este tipo de incidentes não se repita e sobretudo promover “a linha da negociação e diplomacia.



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)