LN – Justiça busca recuperar terra no Caribe que ex-secretária de Kirchner comprou


Justiça avança para levar a julgamento as manobras de lavagem de dinheiro de Daniel Muñoz, o falecido ex-secretário dos Kirchner, e conseguiu imobilizar parte de seus bens na Argentina e no exterior. Muñoz investiu em pelo menos 113 propriedades na Argentina, onde lavou dinheiro com empresas, restaurantes e empresas. Ele também colocou alguns US$ 70 milhões na compra de imóveis nos Estados Unidos, parte dos quais foi congelado em 2019 após um investimento de 30 milhões para a compra de terrenos nas ilhas paradisíacas turcos e Caicos.

Assim, pode-se deduzir dos escritos que estão no processo judicial e das fontes da investigação que se trata de um distanciamento do caso dos cadernos de propina. Um dos lotes à beira-mar para desenvolvimento imobiliário em Turks e Caicos foi apreendido em 2019 por confisco. Desde então, a Justiça argentina reitera as exortações diplomáticas para imobilizar o restante daquelas terras. É o único dinheiro recuperado dos 70 milhões de dólares que foram usados ​​na compra e venda de imóveis em Miami e Nova York. Onde está o resto do dinheiro é um mistério, disse uma fonte do caso.

O principal réu no caso Muñoz é sua viúva, Carolina Pochetti. Junto com ela, vários advogados que a aconselharam estão envolvidos. A investigação foi acionada esta semana com o depoimento investigativo de dois estrangeiros que interveio nas operações para investir o dinheiro da mulher nas Ilhas Turks e Caicos – território ultramarino britânico, a sudeste das Bahamas.

Daniel Muñoz o secretário de Nestor Kirchner

Daniel Muñoz, ex-secretário de Néstor Kirchner (Fernando Massobrio / LA NACION /)

Quem declarou foi o mexicano Isaac Eugênio Esparza Hidalgoacusado de ser um dos frontmen da viúva de Muñoz, e o advogado canadense peter karam, que vive em Turks e Caicos. Esparza Hidalgo foi preso no México há quase um ano e extraditado para a Argentina em 28 de outubro. Na segunda-feira, o juiz federal Julian Ercolini ele perguntou.

Lá ele reconheceu que assinou documentos que foram usados ​​para criar empresas fantasmas e desviar 30 milhões de dólares dos Estados Unidos para Turks e Caicos. Ele negou saber que os documentos foram assinados para esse fim. Ele contou que certa vez foi a um cartório para assinar papéis escritos em inglês.

Em sua investigação perante Ercolini e o promotor Carlos StormelliEsparza Hidalgo disse que assinou a criação de empresas de fachada para receber o dinheiro produzido com a venda dos imóveis de Muñoz nos Estados Unidos “como um favor a Charles Gellert”, amigo pessoal dele, primo de Pochetti e, além disso, filho de um deputado mexicano.

O promotor Carlos Stornelli

O promotor Carlos Stornelli (Captura de vídeo/)

O mexicano disse que cerca de 30 milhões foram investidos na compra de terrenos para construir um hotel nas ilhas e disse que os outros 40 milhões de dólares “Os advogados os levaram” por Pochetti. Esparza Hidalgo aparece nos jornais como diretor da empresa que iria construir o empreendimento imobiliário caribenho. Esparza Hidalgo continua preso na Argentina e o juiz Ercolini trabalha para resolver sua situação processual nos próximos dias.

O advogado de Peter Karam também testemunhou no tribunal esta semana. Conseguiu fazê-lo pelo Zoom, por videoconferência, através de um tradutor e com a presença de um advogado da coroa britânica.

números suspeitos

Karam está em liberdade e não foi extraditado porque a Câmara Federal o libertou da prisão. O advogado é sócio do escritório Karam & Missick, que colaborou na realização da estrutura societária para compra do terreno e realização da incorporação imobiliária. Ele disse a Ercolini e Stornelli em 2 de novembro que de fato havia intervindo aconselhando Pochetti, que havia manifestado interesse em se estabelecer em Turks e Caicos.

Carolina Pochetti, viúva de Muñoz, quando foi presa em 2018

Carolina Pochetti, viúva de Muñoz, quando foi presa em 2018

Mas uma situação estranha surgiu quando ele falou perante o promotor, os funcionários do tribunal e seu advogado. A princípio, interpretou-se que ele havia afirmado que, na realidade, o dinheiro que a viúva de Muñoz trouxe para investir não era de 30 milhões, mas de 500 milhões de dólares.

A declaração, um fato novo e desconhecido neste caso que está sob investigação há 8 anos, disparou alarmes para descobrir de onde veio esse dinheiro e para onde foi.

Mas às 24 horas depois de seu depoimento, e enquanto no tribunal eles estavam traduzindo seu depoimento e reproduzindo-o várias vezes para ouvir suas palavras em detalhes, o advogado Francisco Castex Ele compareceu ao tribunal com um documento no qual afirmava que os 500 milhões de dólares era, na verdade, o valor total que o empreendimento hoteleiro teria quando estivesse concluído.

Karam explicou que havia um acordo entre as empresas Colina de Mármore (presidido pelo mexicano Isaac Esparza Hidalgo) e frente para o mar (do desenvolvedor hoteleiro Sean Sullivan) e que na verdade era um empréstimo de quase US$ 30 milhões. Marble Hill forneceu o dinheiro para Oceanfront para o desenvolvimento do complexo hoteleiro Resort Seis Sentidos“que na altura era um empreendimento imobiliário que, se concretizado da forma como foi projectado, poderia atingir um valor final estimado de 500 milhões de dólares”.

Então, lhe perguntaram como esses 500 milhões de dólares seriam integrados e ele respondeu: “O projeto era mais do que hipotético, passei oito meses trabalhando nele, até viajei para Nova York para assinar o acordo de desenvolvimento com o Six Senses rede. . O desenvolvimento foi baseado nos valores relacionados ao terreno. Foi o maior projeto da época no Caribeque infelizmente não pôde ser iniciado.

Karam disse que havia “um problema de comunicação” porque “os US$ 500 milhões eram o valor projetado do desenvolvimento uma vez concluído, não o custo dele. Entendo que o Ministério Público, ao fazer esta pergunta, deduziu que o empreendimento previa um investimento de 500 milhões de dólares, o que não é correto.

A promotoria insistiu em perguntar de onde vinham os 500 milhões de dólares e se havia outros investidores, ao que Karam respondeu: “Marble Hills era o principal investidor, depois foi determinado que qualquer novo investidor entraria com dinheiro para a fase de construção”.

Esse esclarecimento não satisfez os investigadores e além de especificar o que diz a gravação da investigação, avalia-se se é necessário citá-la novamente.

Karam defendeu-se assegurando que a sua função era de advogado e que antes de aceitar Pochetti como cliente verificou que ela foi despedida por enriquecimento ilícito e que a sua função era aconselhamento profissional. Karam se encontrou com os advogados argentinos Plo e Zupicich em maio de 2016 e lá lhe disseram que Pochetti estava prestes a ficar viúvo, tinha parte de seus ativos investidos em Miami e procurava se estabelecer nas Ilhas Turcas e Caicos. Eu precisava de conselhos.

Encontro em Miami

Em junho de 2016, eles se encontraram com Pochetti em Miami, quando Muñoz já havia falecido. Ela queria liquidar suas propriedades nos Estados Unidos. Já o vazamento jornalístico de Papéis do Panamá havia revelado as empresas que costumavam comprar esses apartamentos em Miami e Nova York. Assim, em Turks e Caicos, disse ter recebido os documentos que indicavam que Esparza Hidalgo era o proprietário das empresas.

Seu associado Anthony D’Aniello viajou para o México para se encontrar com Esparza e verificar seus antecedentes. Foi ele quem o apresentou ao investidor Sean Sullivan. Naquele mês, o empréstimo entre Marble Hill e Oceanfront foi assinado por US$ 29,3 milhões, que incluía 10% de juros para Pochetti. Dois milhões de dólares foram para pagar os custos do empréstimo, advogados e notários que intervieram, e sete milhões de dólares foram para pagar a hipoteca que pesava, a favor do The Belize Bank LTD, no terreno onde o complexo seria desenvolvido.

O Supremo Tribunal de Turks e Caicos confirmou o congelamento de uma das parcelas daquela terra e espera-se que avance sobre as restantes.

De acordo com a acusação contra Pochetti, Gellert, o advogado Miguel Plo, sua filha María Jesús Plo e seu marido, Federico Zupicich, participaram da manobra. O investidor hoteleiro Sean Lawrence Sullivan, americano que obteve os recursos para realizar esse tipo de investimento, e o advogado D’Aniello são citados na operação.

Amanhã, o juiz Ercolini tomará as últimas declarações investigativas e estaria em condições de decidir a situação processual de todos os réus, cerca de 42 pessoas que estiveram envolvidas nos investimentos internacionais das Ilhas Turks e Caicos e nos investimentos realizados em Argentina. A ideia é terminar de fechar esse segmento para levar a julgamento os réus que são processados.



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)