LN – Eduardo “Wado” De Pedro admitiu que estão tentando convencer Alberto Fernández para que não haja STEP no próximo ano


convencido de que A Frente de Todos não vai “quebrar”mas é preciso ampliá-lo, o Ministro do Interior, Eduardo “Wado” de Pedro, admitiu esta manhã que existe uma tentar convencer o presidente Alberto Fernández para que não haja passo o próximo ano. “A maioria dos governadores e governadores, e prefeitos e prefeitos querem convencer o presidente da ideia que têm”, O bispo kirchnerista especificou, que tem uma relação azeitada com as províncias devido ao papel que desempenha no Gabinete e que é apontado pelo partido no poder como candidato presidencial.

“A discussão sobre PASOs é pública, e 100% dos governadores da Frente de Todos se declararam favoráveis ​​à não realização de quatro eleições no ano. Assim como temos o argumento da guerra e da pandemia. As discussões internas têm que acontecer dentro de cada força política, o que revitaliza a discussão interna, É o que propõe a maioria da Frente de Todos, que são os governadores, os prefeitos, os governadores e os prefeitos”, afirmou Pedro em A Rádio Revelada.

No entanto, ele não hesitou em dizer que é Fernández quem tem a definição do que será feito. “Somos um sistema presidencialista, a Presidência é unipessoal, quem toma as decisões é o presidente Alberto Fernández, e é por isso que as tensões são geradas e discutidas publicamente, porque a maioria dos governadores e prefeitos querem convencer o presidente da ideia que têm”, referiu, depois de ontem deputados das províncias aliados ao partido no poder apresentarem um projeto de revogação do PASO.

Ele respondeu sobre uma possível candidatura presidencial: “Vou fazer o que meus colegas me dizem”

Poucos dias antes, o deputado nacional havia passado pelo mesmo estudo Máximo Kirchner e disse que não achava que sua mãe, a vice-presidente Cristina Kirchner, concorrerá à presidência no ano que vem. Hoy de Pedro, fonte direta do vice-presidente no Gabinete, preferiu não se aprofundar nas intenções do líder e ponderou sobre o líder do La Cámpora. “Acho que foi uma opinião pessoal muito válida dele porque cada opinião do Máximo vale muito. Máximo é um analista político, o que mais escuto. Ele tem visão, memória, inteligência em análise política”, comentou.

Máximo Kirchner, na entrevista desta semana, também o elogiou e, além de chamá-lo de “laburante”, disse que ele estava em uma “idade muito interessante” para ser candidato a presidente. “Vejo que ele me ama demaismostra que temos uma amizade muito forte”, brincou o ministro do Interior quando lhe mostraram o extrato em que o deputado o valorizava.

E quando o consultaram se pretende ir à Casa Rosada em 2023, tentou imprimir contenção. Ele disse que em seu espaço eles não pensam em questões pessoais. Ele também insistiu que é necessária uma “geração que pensa coletivamente” e nessa posição indicou: “Esse fato de cada um puxar a corda por sua coisinha setorial faz com que o sistema político acabe gerando frustrações. Não vamos ser castos, não somos castos, fazemos parte daqueles que vieram para a política de mãos dadas com Nestor Kirchner transformá-lo”, destacou Pedro hoje, quando o 12 anos após a morte do ex-presidente.

“Quem pensa em termos pessoais é egoísta, individualista e vai contra o interesse coletivo. Eu nunca vou me colocar em uma posição em que eu tenha um objetivo pessoal para todo o”, afirmou o ministro camporista, que sintetizou: “Vou fazer o que meus colegas e colegas me dizem, os prefeitos, as pessoas da comunidade, os movimentos sociais que eu respeito muito.”

“O Máximo é um analista político, aquele que eu mais escuto. Ele tem uma visão, uma memória, uma inteligência na análise política”, disse Wado de Pedro de Máximo Kirchner (Twitter @wadodecorrido/).

Claro que é necessário expandir a Frente de Todos diante de 2023, revelou que funciona “os ombros” em busca de adesões até o final do primeiro mandato de Fernández e disse que ativou negociações com setores que confiavam no governo de Mauricio Macri e se desencantou.

Estou convencido de que algo pode ser combinadoque há setores do radicalismo que tiveram a experiência de governar ao lado de Mauricio Macri, de [Horacio Rodríguez] Larreta, que viu os verdadeiros objetivos de Macri, que não são a pobreza zero, combater o narcotráfico e unir os argentinos, vamos relembrar os três slogans”, disse Pedro, que até entendeu que Juntos pela Mudança “já está quebrado” porque há “muitos” líderes territoriais, empresariais, municipais e governamentais que não respondem ao ex-presidente.



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)