LN – Confusão envolve eleições na Bósnia após reivindicações de líderes sérvios



A confusão reinou na Bósnia na segunda-feira, quando candidatos sérvios rivais reivindicaram a vitória em uma disputa importante, após um processo eleitoral que pode aumentar a incerteza no cenário político do país balcânico.

As eleições múltiplas de domingo tiveram vários resultados inesperados, incluindo algumas vitórias retumbantes e uma decisão do Alto Representante do país de alterar as leis eleitorais da Bósnia.

Enquanto a contagem continuava na segunda-feira, o líder sérvio-bósnio Milorad Dodik apareceu à beira da derrota depois que seu rival Jelena Trivic conquistou a vitória na disputa pela presidência da Republika Srpska (RS), entidade do país Sérvia.

“Esta é uma vitória do povo”, disse a candidata Trivic antes de sair às ruas da capital do RS, Banja Luka, para comemorar com seus apoiadores.

Quase três décadas após a guerra que devastou o país balcânico, a Bósnia continua a ser atingida por suas divisões étnicas.

O país é governado por um sistema administrativo disfuncional criado em 1995 pelos Acordos de Dayton, que puseram fim ao conflito armado da década de 1990, mas que não conseguiu criar as condições para o desenvolvimento do país.

A Bósnia está dividida entre uma entidade sérvia, a RS, e uma federação muçulmana-croata, com um governo central fraco unindo-as.

Após a guerra, os partidos políticos étnicos exploraram as divisões do país para se agarrarem ao poder, assim como Dodik.

Durante anos, Dodik alimentou as tensões com seus pedidos para que os sérvios bósnios se separassem ainda mais das instituições centrais do país, levando-o a ser sancionado pelos Estados Unidos em janeiro.

Dodik buscava um terceiro mandato como presidente do RS, após completar um período na presidência tripartite.

Sua rival Trivic, uma professora de economia de 39 anos, apresentou-se como alternativa ao incendiário Dodik, com um discurso anticorrupção e alardeando o desejo dos sérvios de manter sua autonomia na Bósnia.

Dodik rejeitou a alegação de vitória de Trivic e disse estar confiante em sua vitória, mas aguardará os resultados finais.

“Sou sério o suficiente para esperar pelos resultados. Mas há outras pessoas que não são sérias”, disse Dodik aos apoiadores.

– Disputa de coalizão –

A disputa pela presidência do RS não foi a única surpresa do dia.

Na disputa pelo assento da comunidade muçulmana na presidência tripartida do país, Denis Becirovic derrotou confortavelmente o duas vezes presidente Bakir Izetbegovic.

Foi um golpe para o partido SDA de Izetbegovic, que dominou a política bósnia por décadas.

“Devemos ter um mandato para o desenvolvimento, progresso e cooperação, é disso que todos os povos e nações da Bósnia e Herzegovina precisam”, disse Becirovic em seu discurso de vitória.

O país entrou nas eleições dividido entre separatistas sérvios ortodoxos e católicos croatas, que exigem mais autonomia e reformas eleitorais.

Muitos eleitores reclamaram da falta de candidatos jovens com novas ideias.

“A maioria dos candidatos são os que temos visto nos últimos 20 anos”, disse Sara Djogic, uma estudante de filosofia de 21 anos em Sarajevo.

– Medo de agitação –

Para os católicos croatas também houve uma tempestade.

Antes da votação, muitos croatas exigiam reformas eleitorais e o partido nacionalista HDZ até ameaçou boicotar as eleições.

Sua discordância deriva da enorme vantagem numérica dos bósnios na federação muçulmana-croata, que permitiu aos eleitores muçulmanos manter o controle de fato sobre quem lidera os croatas no nível presidencial.

O HDZ e outros partidos croatas pediram um novo mecanismo para permitir que a comunidade eleja seus próprios representantes para a presidência e câmara alta do parlamento, o que foi rejeitado pelo partido bósnio, que lidera a federação.

O atual co-presidente croata Zeljko Komsic, questionado pelos partidos croatas, foi reeleito para um quarto mandato.

Para confundir ainda mais as coisas, logo após o encerramento das urnas no domingo, o alto representante do país anunciou uma série de emendas às leis eleitorais.

As novas medidas “visam melhorar a funcionalidade da Federação da Bósnia e Herzegovina (…) e garantir a implementação oportuna dos resultados das eleições de outubro de 2022”, disse o alto representante Christian Schmidt em comunicado.

O cargo de Alto Representante foi criado para supervisionar a implementação dos aspectos civis do acordo de paz de 1995.

bur-ds/mas/yow



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)