LN – Um jovem foi morto em Mendoza com um tiro no peito e quatro policiais são presos pelo fato



Um jovem foi morto a tiros no peito. dentro Mendoza, durante uma briga em vias públicas, conforme relatado por fontes policiais e judiciais. Para este fato, quatro policiais foram separados e presos pela Justiça para determinar se eles tinham alguma responsabilidade.

A vítima foi identificada como Kevin Nahir González Ejea, cerca de 18 anos, que morreu esta manhã depois de receber um tiro na altura do peito durante uma briga no cruzamento das ruas Anglat e Villanueva, na cidade de Malargüe, a cerca de 180 quilômetros da capital da província.

De acordo com o meio de comunicação local Malargüe Diario, “Uma policial do Corpo Especial disse espontaneamente ao chefe de investigações e depois ao promotor-adjunto que foi ela quem atirou na vítima.”

De acordo com os primeiros dados coletados pela investigação, tudo aconteceu por volta das 2h40, quando um grupo de jovens estava lutando em vias públicas e tiros foram ouvidos.

Após a chamada dos vizinhos, que notificaram a linha de emergência 911, um móvel do Corpo Especial deslocou-se para a área e, uma vez lá, informou por rádio que houve uma briga entre vários homens, que começaram a atirar pedras no móvel As tropas decidiram repelir a agressão com armas longas.

Outro móvel de apoio chegou ao local e informou que as pessoas que estavam participando da briga haviam saído e que havia um ferido por arma de fogo, cujos parentes o colocaram em um carro particular e o levaram para um hospital próximo.

Segundo as autoridades sanitárias, Os médicos da guarda atenderam o jovem e confirmaram sua morte devido a “um ferimento de arma de fogo com um orifício de entrada no pneumotórax esquerdo e um orifício de saída lombar dorsal”.

Por sua vez, o Ministério Público de plantão ordenou que os policiais revistassem e individualizassem em uma praça próxima as pessoas que participaram da briga, a fim de obter mais informações que esclareçam o fato.

No entanto, antes da presença da polícia, as pessoas decidiram não prestar informações e deixaram o local; enquanto, Os policiais apreenderam alguns itens, como uma luva e um par de “chuzas”.

Nesse contexto, e diante de um crime em que policiais poderiam ter participado, o chefe distrital, Comissário Inspetor Pablo Domínguez, notificou o chefe da Inspeção Geral de Segurança (IGS), Marcelo Puertas.

A investigação, em nível judicial, foi conduzida pelo promotor Javier Giaroli, que ordenou que os primeiros soldados que chegassem ao local fossem separados da força e apreendidos, e que suas armas fossem apreendidas para laudos periciais enquanto a investigação avança. investigação sobre a morte do jovem.

Nas próximas horas, o procurador deverá deslocar-se ao local a fim de recolher provas para apurar a mecânica do crime, o grau de responsabilidade eventual no a morte de Gonzalez Ejea dos policiais detidos e se houver outros envolvidos.

Com informações da Telam



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)