LN – Presidente senegalês apoia jogador do PSG acusado de ser homofóbico



O presidente do Senegal Macky Sall mostrou esta terça-feira, através de uma mensagem no Twitter, o seu apoio à jogadora do Paris SG Idrissa Gana Guèye e pediu respeito pelas “crenças religiosas” do internacional senegalês, acusado de ser homofóbico em França.

A cadeia RMC informou no domingo que o meio-campista senegalês de 32 anos não jogou contra o Montpellier no sábado para não ter que vestir a camisa com o adorno do arco-íris LGBT, que foi usado pelas 20 equipes da Ligue 1 no 37º encontro , gesto que lhe valeu ser acusado de homofóbico por associações pela igualdade, que exigem uma sanção para o meio-campista.

Já no ano passado, no dia dedicado ao combate à homofobia, Gueye deixou de jogar o jogo, alegando “gastroenterite”.

“Eu apoio Idrissa Gana Guèye. Suas crenças religiosas devem ser respeitadas”, declarou o presidente Sall.

No Senegal, Gueye e seus companheiros, campeões da África em fevereiro passado pela primeira vez na história, são adorados.

Em um país muçulmano com 95% da população e muçulmano muito praticante, a homossexualidade, punível de um a cinco anos de prisão, é amplamente considerada um desvio sexual.

Ao mesmo tempo em que recebe críticas na França por seu comportamento, as mensagens de apoio do Senegal são muitas nos últimos dias e de diversas áreas, da política ao futebol, passando pela cultura.

mrb/lp/mcd



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)