LN – O Exército de Taiwan eleva seu status de alerta antes da possível viagem de Pelosi à ilha


O Exército de Taiwan elevou seu estado de alerta diante da possibilidade de que a presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, faça uma visita à ilha e dos alertas da China contra tal deslocamento.

Fontes citadas pela agência de notícias estatal de Taiwan, CNA, indicaram que o Exército aumentou sua prontidão para o combate, uma decisão que vigorará até quinta-feira e que poderá ser ajustada dependendo das ações que Pequim tomar nas próximas horas.

No entanto, ele esclareceu que a decisão não implica que as tropas estejam atualmente em situação de “emergência”, sem que Washington tenha esclarecido se Pelosi, que está em turnê pelo leste da Ásia, finalmente fará uma parada na ilha. .

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, defendeu nas últimas horas que Pelosi “tem o direito” de viajar para Taiwan se assim decidir e acrescentou que a Administração não vai tomar medidas sobre o assunto. . “Nossa responsabilidade é garantir que ela e sua equipe tenham todas as informações de que precisam”, ressaltou.

A visita, que seria a primeira de um presidente da Câmara em 25 anos, não está na agenda nem no roteiro público de Pelosi. No entanto, fontes taiwanesas indicam que ele poderia passar uma noite na ilha, embora a data exata seja desconhecida.

Por sua vez, as autoridades chinesas anunciaram na sexta-feira a realização de um exercício militar em torno de Taiwan, dias depois de o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Tan Kefei, ter alertado que o Exército chinês não ficará de braços cruzados diante da possível visita de Pelosi. para Taiwan.

As relações entre a China e Taiwan foram suspensas em 1949, depois que as forças do partido nacionalista chinês Kuomintang, liderados por Chiang Kai Shek, sofreram uma derrota na guerra civil contra o Partido Comunista da China e se mudaram para a ilha de Taiwan.

O gigante asiático considera Taiwan como sua província rebelde, apesar de a ilha ter declarado sua independência e contar com o apoio dos Estados Unidos e da União Europeia.



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 2 veces, 1 visitas hoy)