LN – 40 anos após a rendição das Malvinas: “O que Galtieri exigiu para acabar com a guerra foi uma bagunça”


-Essas ilhas serão suas um dia.

-Quando?

-Quando você é um país sério.

o Brigadeiro Eugênio Javier Miari Ele não esquece o diálogo que teve com o chefe de uma patrulha britânica, em plena Guerra das Malvinas, na qual atuou como vice-comodoro e secretário de Justiça do fugaz governo da General Mario Benjamin Menéndez nas ilhas. UMA 40 anos da rendição argentina, Ao final de um confronto militar que concentrou a atenção do mundo por 74 dias, Miari é o único oficial argentino vivo que acompanhou Menéndez nas instâncias decisivas da negociação com os britânicos, que levou à capitulação, em 14 de junho de 1982.

“Tudo foi improvisado”, disse Miari A NAÇÃO. Hoje ele tem 85 anos e na sala de seu apartamento, no bairro da Recoleta, expõe os testemunhos que guarda da guerra (fotos, pastas, documentos) e as memórias que sobreviveram ao esquecimento.

Além de 650 oficiais argentinos, suboficiais e soldados que ofereceram suas vidas pela causa das Malvinas, Miari tem a memória de uma campanha militar muitas vezes superada pelo improviso. “As forças militares trouxeram fogões a lenha para as ilhas para abastecer os soldados. Mais em Malvinas não tinha lenha, nem árvores. EEm muitas unidades eles roubaram as cercas de madeira das casas dos moradores e então tive que negociar uma indenização e um pedido de desculpas com os kelpers”, revelou o soldado. Ele sabia que uma das chaves do direito da guerra – que hoje se tornou direito humanitário – é que “não podem causar danos desnecessários ao inimigo”.

Devido à sua formação como advogado e ao seu papel como chefe do serviço de justiça, aconselhou Menéndez nas duas reuniões que manteve no último dia da guerra com os chefes militares britânicos antes de assinar a capitulação. Explicou as diferenças entre rendição e capitulação e qualificou de “marracho” as exigências que o presidente de fato, Leopoldo Fortunato Galtieri, enviou ao governador para que ele não desistisse e apenas assinasse “um compromisso de honra”.

Brigadeiro Eugenio Javier Miari, em Puerto Argentino, durante a Guerra das Malvinas

Brigadeiro Eugenio Javier Miari, em Puerto Argentino, durante a Guerra das Malvinas (Enrique García Medina/)

Após graduar-se advogada pela Universidade de Buenos Aires, Miari foi membro do corpo de profissionais do departamento jurídico da Aeronáutica. Na segunda quinzena de março de 1982, o secretário-geral da Aeronáutica, Rodolfo Aquilino Guerra, comunicou-lhe que estava indo para as Malvinas, mas ordenou que guardasse estrito segredo. “Ele me encarregou de descobrir as leis e ordenanças que governavam as ilhas. Fui ao Departamento das Malvinas do Itamaraty, na esquina do Círculo Militar, na Rua Esmeralda, e dei a desculpa de que precisava de informações sobre a regulamentação do transporte no arquipélago. E eles me disseram: ‘Ah, você está aqui para a invasão?’

O brigadeiro guarda na memória essas e outras histórias pessoais, além de outras situações extremas que enfrentou. Foi um dos primeiros a chegar às Malvinas e um dos últimos a sair. Ele retornou ao continente como prisioneiro de guerra no navio Saint Edmund, que o deixou em Puerto Madryn em 14 de julho, um mês após o fim das hostilidades. “Como advogado e auditor, ele não poderia deixar as ilhas se sobrasse um prisioneiro argentino”, explicou.

No contato diário após a recuperação das ilhas, em 2 de abril, a premissa era que os habitantes não sentiram que os militares argentinos chegaram para mudar suas vidas. “Mantivemos a polícia local de plantão”, disse Miari. E disse que, diante da desconfiança de uma funcionária local da área da Justiça, que sentiu repúdio aos argentinos fardados, um dia revelou a ela que não carregava a arma no coldre. “Mostrei a ele que tinha um sanduíche de mortadela dentro”, lembrou.

Miari trabalhou lado a lado com o Comodoro Carlos Bloomer-Reeve, o Secretário de Governo de Menéndez. “Ele já havia estado nas ilhas antes, como delegado da State Air Lines (LADE) e do Itamaraty, e conhecia muitos moradores”, disse.

O brigadeiro Edgardo Javier Miari, aos 85 anos, relembra os momentos finais da Guerra das Malvinas, quando conviveu com o governador Mario Benjamín Menéndez

O brigadeiro Edgardo Javier Miari, aos 85 anos, relembra os momentos finais da Guerra das Malvinas, quando viveu ao lado do governador Mario Benjamín Menéndez (Enrique García Medina/)

Entre 1993 e 1995, Miari foi auditor geral das Forças Armadas, quando o Ministro da Defesa era Oscar Camilión. Ele teve que governar a Caso Carrasco. e considera que foi fiel à sua vocação para a Justiça. “Sempre me preocupei mais com a verdade do que com as pessoas, porque quero dormir em paz”, resumiu

O projeto de ocupação das Malvinas era um sonho antigo da Marinha. Enquanto nas ilhas, altas fontes navais confirmaram que sete anos antes do Vice-Almirante Armando Lambruschini levou o plano ao então presidente Maria Estela Martinez de Perón que, ao consultar a possível resposta da Grã-Bretanha a uma ofensiva argentina, fechou a porta à operação, afirmando: “Eu não vou embarcar o país em uma guerra.”

A definição

Às 6h do dia 14 de junho, Miari caminhava com outros policiais pela rua central de Puerto Argentino e notou deslocamentos inorgânicos e desordenados das tropas argentinas. “Na Casa do Governo, os ânimos estavam despedaçados. Havia soldados abraçando suas armas portáteis”, descreveu. Às 10 horas, eles viram pela primeira vez do segundo andar, o avanço das tropas britânicas nas ruas do centro.

“Uma hora depois estávamos com outros oficiais na residência do General Oscar Luis Jofre comandante das operações militares, diante de uma intimação do general Menéndez”, disse.

“À queima-roupa, Menéndez me perguntou os significados e diferenças entre rendição e capitulação. Expliquei que a capitulação é um acordo dos comandantes das forças beligerantes sobre a rendição de um deles. Queria saber se houve exclusão de responsabilidades por aquela decisão e em que condições ele seria julgado pela Corte Marcial”, ressaltou.

“Quero ver o texto do regulamento”, Menéndez disse a ele. E Miari mostrou-lhe uma cópia do Código de Justiça Militar e um regulamento de leis e usos da guerra. “Os outros oficiais se afastaram a uma certa distância e isso foi uma clara manifestação da solidão do poder”, grafou o brigadeiro.

Então o governador comunicado por rádio com Galtieri, que lhe deu instruções “para uma capitulação tão honrosa quanto possível”. Disse-lhe, primeiro, que não se rendesse e mandasse os soldados “saírem dos poços para contra-atacar os ingleses”.

Como lembra Miari, Menéndez explicou a ela que não era possível. “Aja sob sua responsabilidade”, O Presidente disse-lhe, após o que lhe ordenou que não assinasse a rendição e que qualquer compromisso assumido na capitulação fosse honroso. “Isso é uma bagunça, porque quando você aceita a capitulação há responsabilidades para com o inimigo, para com outros Estados, organizações internacionais, como a Cruz Vermelha, e a população civil. É por isso que a data é especificada, até mesmo a hora. Não pode ser verbalmente”, explicou o brigadeiro ao governador das Malvinas.

VAI COM HISTÓRIA DA AFP Soldados argentinos (em primeiro plano) são escoltados por soldados britânicos após se renderem em 02 de junho de 1982 perto de Goose Green durante a guerra das Ilhas Malvinas / Malvinas entre Argentina e Reino Unido.  A Argentina se rende após 74 dias e a guerra resultou em 649 soldados argentinos e 255 britânicos morreram em ação.  AFP-PHO

Soldados argentinos são escoltados por soldados britânicos após se renderem, em junho de 1982, perto de Goose Green, nas Malvinas (AFP/)

Então eles chegaram duas reuniões com os britânicos. um com ele GeralMichaelRose, definido por Miari como “o bom oficial”, visto que “convidou a fechar as feridas o quanto antes”, e outro com o Gen Jeremy Moore, em um encontro mais tenso. “Ele trouxe um texto datilografado e exigiu que garantissemos que naquele momento qualquer possível ataque à frota britânica cessaria”, lembrou.

“Isso – continuou o brigadeiro – não dependia de nós, porque operações militares foram decididas pelo Comando da Força Aérea do Sul, liderada pelo Brigadeiro Ernesto Crespo de Comodoro Rivadavia. Finalmente chegou-se a um entendimento quando foi acordado com Crespo que o comando aeronáutico se absteria de atacar navios britânicos que transportassem prisioneiros argentinos”. Alta tensão até o último momento.



Publicado en el diario La Nación

(Visitado 1 veces, 1 visitas hoy)